Práticas religiosas de artesãos nas olarias das Cíclades em Paros

Por Erica Angliker, Institute of Classical Studies, University of London.


Os artesãos da Grécia e da Roma antigas tiveram um papel importante na sociedade, pois criaram não apenas itens de luxo para a elite, mas também objetos usados ​​diariamente. Apesar disso, sua vida cotidiana raramente foi objeto de estudo. Há várias razões para isso, como a ênfase excessiva nos estudos clássicos sobre grupos de elite e/ou grandes eventos, como pragas e guerras. Ultimamente, no entanto, a tendência está mudando e vários estudos foram dedicados a tópicos relacionados a famílias, marinheiros, lavradores, etc. A evidência material da oficina de cerâmica de Paros mostra que, embora o local não tivesse sido estabelecido explicitamente para a prática da religião, atividades dessa natureza ocorreram nela. Localizada a várias centenas de metros da oficina de escultura no lote de Skiada, a oficina de cerâmica em Paros escavada em várias campanhas entre 1986 e 1992, inicialmente pelo Éforo (Diretor de Antiguidades) Ph. Zapheiropoulou e, após 1986, por Y. Kourayos com a assistência de E. Hasaki (1992). Esse sítio impressionante, estudado minuciosamente por Kourayos e Hassaki, contém fornos, uma cisterna e restos não industriais que datam de fases anteriores da ocupação do sítio (da era geométrica à clássica).


A oficina de cerâmica de Paros, escavada entre 1986 e 1992. Foto: Yannos Kourayos.

A área escavada é de cerca de 120 m², mas a área original da oficina pode ter sido duas vezes, senão quatro a cinco vezes maior, tendo em vista o fato de que as telhas e os jarros em forma de colmeias ali fabricados precisavam de muito espaço para a argila secar. As escavações de Kourayos e os estudos posteriores realizados por ele e Hassaki mostram que a oficina foi construída sobre uma residência abandonada e contêm vestígios arquitetônicos de três períodos: o geométrico, o clássico tardio e o romano primitivo. Como nenhuma fase helenística pôde ser estabelecida, parece que a casa foi abandonada.


A casa clássica tardia foi reutilizada quase 200-300 anos depois pelos oleiros como uma área de oficina. O extenso complexo cerâmico de Paroikia operou principalmente nos séculos I e II d.C. (começando talvez na segunda metade do século I a.C.) e fabricou cerâmica grosseira para beber e comer, jarros-colmeias, kadoi com cabo de cesto e telhas – todos os itens necessários para o uso diário pelos parianos. O local contém seis fornos, cujos tamanhos variam de 0,75 a 2,50m e diversas áreas auxiliares, incluindo uma cisterna em um arranjo impressionante, típico de grandes oficinas romanas. Os estudos de Hassaki e Kourayos indicam que todos os seis fornos circulares tinham duas câmaras.


A oficina de cerâmica em Paros é notável por várias razões. Primeiro, ela esteve ativa nos períodos helenístico e romano, uma época incorretamente tida como sendo caracterizada pela decadência em todas as Cíclades. Juntamente com o cemitério helenístico e particularmente o romano, a oficina oferece valiosas evidências da prosperidade da ilha nesse suposto período de decadência, que certamente não afetou todas as ilhas das Cíclades. A olaria pariana também é digna de nota por conter testemunhos da atividade de culto dos artesãos. Enquanto escavava, Kourayos encontrou um item singular dentro de um dos fornos: a cabeça queimada de uma estátua de Asclépio.


A cabeça do deus Asclépio encontrada no forno dos oleiros de Paros. Foto: Yannos Kourayos.

O culto a esse deus em Paros foi estabelecido no século IV a.C., na área do santuário de Apolo Pítio, que estava convenientemente localizado perto de uma nascente, ao lado da qual havia duas plataformas de mármore semicirculares. A introdução do culto a Asclépio na ilha coincidiu com a disseminação do culto a esse deus em outras partes das Cíclades (por exemplo, em Delos). Em Paros, como em outras cidades gregas, Asclépio era visto como o patrono da boa saúde e seu culto durou até os tempos imperiais. No entanto, evidências na olaria indicam que o deus também era considerado o patrono dos artesãos. Apenas a cabeça da estátua, que provavelmente foi adquirida da oficina de escultura vizinha, é preservada, mas mostra traços claros de queima. Estudos recentes sobre arte coroplástica revelam os muitos riscos envolvidos na produção de cerâmica, sendo o maior o processo de queima no forno; qualquer falha pode resultar na perda de várias semanas de trabalho. De acordo com uma passagem no chamado Hino dos Oleiros, um poema hexamétrico preservado na pseudo-herodoteana Vida de Homero, criaturas demoníacas personificadas também podiam causar danos à cerâmica. Para proteger os vasos contra tais danos, os ceramistas recorreram a medidas apotropaicas, como pendurar imagens no interior ou no exterior dos fornos. A estátua de Asclépio, descoberta no forno de Paros, mostra claramente o exercício de tais rituais na oficina pariana, em que estatuetas foram queimadas com a cerâmica, a fim de evitar a quebra das panelas.


Tags: #artesãos #oleiros #cerâmica #GréciaAntiga #religiosidade

65 visualizações
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram

©2018 by História Antiga a partir de baixo. Proudly created with Wix.com