Arquivo

2020

APÓCRIFOS

Os atos dos apóstolos chamados “apócrifos” são aqueles que não foram incluídos no cânone bíblico, mas eles circulavam livremente nas primeiras comunidades cristãs. Valtair Afonso Miranda traz para o português os Atos Apócrifos de Pedro (São Paulo, Paulus, 2019, 96 páginas, 19 reais). Trata-se de uma fonte interessante para o estudo da cultura popular e dos subalternos nas comunidades cristãs dos séculos II e III. O texto é marcado pela forte presença de situações miraculosas, folclóricas e inusitadas, como um cachorro falante que anda em duas patas e a ressurreição de um peixe defumado, bem como de pessoas em situações de adversidade social, mulheres viúvas e adúlteras, pobres e destituídos em geral. A edição teria muito a ganhar com uma tradução direta do original e um formato bilíngue.

ESCRAVIDÃO

Em Ancient Greek and Roman Slavery, (Malden, Wiley, 2018, 264 páginas, capa mole, 36.25 dólares) Peter Hunt parte da centralidade da escravidão como instituição na antiguidade e objeto de reflexão na modernidade e na contemporaneidade para introduzir o leitor às questões mais discutidas sobre o tema. O livro é construído a partir de uma abordagem comparativa entre a Grécia e a Roma antigas que versa sobre as relações entre a escravidão e a economia, a política, a sociedade e a cultura por meio de um escopo amplo de evidências desde historiográficas até epigráficas. Dentre os temas introduzidos, Hunt não se limita às normas e ao lugar dos escravos nas sociedades greco-romanas, explorando também suas possibilidades de ação, as “armas dos fracos” que lhes permitiam resistir à opressão social cotidiana.

ANTIGUIDADE TARDIA

Em A Social and Cultural History of Late Antiquity (New Jersey, Wiley, 2018, U$ 37,99 e-book; U$ 46,75, p. xxix + 285), Douglas Boin explora múltiplas questões sobre a Antiguidade Tardia “de baixo para cima”, com a preocupação de integrá-las em quadros sociais mais amplos. Boin perpassa temas tão diversos como mobilidade social, vida urbana, organização política, laços familiares, constituição de comunidades e religiosidades, sempre procurando estabelecer um diálogo entre passado e presente e discutindo as questões políticas e de poder envoltas nesses temas. A partir de uma gama diversificada de fontes, somos introduzidos numa narrativa de histórias de pessoas, grupos, objetos e ideias que se entrecruzam no Mediterrâneo de fins do século III até início do VIII.

MULHERES E GÊNERO

O que os grafites nos dizem sobre como agiam e o que pensavam as mulheres de Pompeia? O que a reação dos discípulos de Jesus ao verem-no conversando com uma mulher nos diz sobre as relações de gênero nas primeiras comunidades cristãs? Essas e outras questões são tratadas em Mulheres, Gênero e Estudos Clássicos: um diálogo entre Espanha e Brasil (Barcelona: Universitat de Barcelona; Curitiba: UFPR, 2020, 373 páginas, 180 reais), livro originado da colaboração entre antiquistas da Espanha e do Brasil, organizado por Renata Senna Garraffoni e Manel García Sanchez. As autoras e os autores versam sobre as relações de gênero na Grécia e na Roma antigas e suas representações, contribuindo para o avanço dos estudos sobre as mulheres a partir de uma visão crítica quanto à sua marginalização nas narrativas históricas tradicionais.

PROSTITUIÇÃO

Em The Brothel of Pompeii: sex, class and gender at the margins of Roman Society (Cambridge: Cambridge University Press, 2019, 266 páginas, 95 dólares), Sarah Levin-Richardson examina as ruínas arqueológicas de um bordel – o chamado Lupanare – que funcionava na cidade de Pompeia. De início, Levin-Richardson reconstrói e da vida ao Lupanare a partir da análise da arquitetura, decoração, objetos e grafites procedentes do local. Em seguida, explora as experiências – sociais, físicas e emocionais – tanto das prostitutas quanto da clientela do bordel. The Brothel of Pompeii é um trabalho interessante sobretudo para aqueles que desejam conhecer a história da prostituição romana a partir da experiência de mulheres, escravos, trabalhadores e outros grupos subalternos.

APULEIO

O Asno de Ouro, de Apuleio (trad. Ruth Guimarães, prólogo de Adriane da Silva Duarte, São Paulo, Editora 34, 2019, 480 páginas, R$ 88) é o único romance latino da Antiguidade a sobreviver na íntegra até hoje. Narra as desventuras do jovem Lúcio que, pagando o preço de sua curiosidade pela magia, se transforma em um burro, porém sem perder sua inteligência. Raptado por um bando de salteadores e passando depois por vários donos, esse observador insuspeito descreve a vida de homens e mulheres de todas as classes sociais, inclusive dos grupos subalternos e marginalizados pouco retratados na literatura antiga. Edição bilíngue, com o texto original latino e a tradução para o português de Ruth Guimarães, o livro conta ainda com a excelente introdução de Adriane da Silva Duarte.

HISTÓRIAS DE ROMA

Um escravo em Roma podia se casar? Os romanos eram machões? Como as mulheres romanas cultivavam a amizade? Essas e outras questões são os temas de Roma Antiga: Histórias que você sempre quis saber (São Paulo: Fonte Editorial, 2019, 142 páginas, sem preço), novo livro de Pedro Paulo Funari e Filipe Silva. Os autores apresentam, de forma leve e agradável, uma série de histórias sobre o mundo romano, muitas delas sobre os subalternos, a gente comum. As charadas populares, as gozações dos eleitores, a paquera à Romana, o vinho, as roupas e as latrinas são apenas alguns dos temas desse livro que pode servir como um bom ponto de partida para quem deseja conhecer um pouco da vida de todos os dias na Roma antiga.

ESTUDOS CLÁSSICOS

A People's History of Classics, de Edith Hall e Henry Stead (Londres e Nova Iorque, Routledge, 2020, 670 páginas, 26,39 libras, capa mole) explora a influência do passado clássico na vida das pessoas da classe trabalhadora na Grã-Bretanha e na Irlanda do final do século XVII ao início do século XX. Utilizando diversas fontes de informação, publicadas e inéditas, em arquivos, museus e bibliotecas do Reino Unido e da Irlanda, Hall e Stead examinam a experiência da cultura clássica na classe trabalhadora, desde a Declaração de Direitos de 1689 até a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Como mostram os autores, a educação clássica não precisa ser elitista ou reacionária. Se ela foi muitas vezes o currículo do império, o interesse dos trabalhadores e do movimento operário pelos clássicos nos mostra que ela pode ser também o currículo da libertação.

2019

CULTURA POPULAR

Popular Culture in the Ancient World (ed. Lucy Grig, Cambridge, Cambridge University Press, 2017, x+369 páginas, 110 dólares), é o primeiro livro a oferecer um estudo interdisciplinar do assunto. Um grupo de estudiosos de vários países enfrenta neste livro um leque fascinante de temas e objetos: desde oráculos até o vestir, desde brinquedos até a especulação teológica. Depois de uma introdução substantiva, 13 capítulos se sucedem tratando da Grécia clássica ao Império Romano e até à Antiguidade Tardia. O livro ultrapassa as visões tradicionais da cultura popular associadas ao "pão e circo" e mostra, ao contrário, toda sua riqueza e diversidade.

ESOPO

Em Fábulas, seguidas do Romance de Esopo, livro publicado pela Editora 34 (São Paulo, 2017, 280 páginas, 55 reais), André Malta e Adriane da Silva Duarte reúnem duas obras traduzidas do grego antigo: uma coletânea de 75 fábulas de Esopo e sua biografia romanceada. As fábulas nos remetem a uma moralidade popular que remonta à Grécia arcaica e clássica. Já o Romance de Esopo, escrito no século II d.C., sob o Império Romano, coloca em cena, numa narrativa divertida, um escravo de lavoura, promovido a escravo doméstico de um filósofo e que ganha a liberdade graças a sua astúcia e ao uso da palavra em público. Como poucos textos literários antigos, as Fábulas e o Romance de Esopo nos permitem vislumbrar algo das vozes, da vida e da cultura dos subalternos na Antiguidade.   

CRISTIANISMO

Narrativa e cultura popular no Cristianismo primitivo (São Paulo, Paulus, 2018, 152 páginas, 29 reais), novo livro de Paulo Nogueira, convida o leitor a adentrar o universo dos primeiros cristãos por meio de um exercício de estranhamento, ao analisar suas formas de expressão literárias em seu contexto mais amplo. Partindo da hipótese de que o cristianismo primitivo tem conexões profundas com a cultura popular do Mediterrâneo antigo, o autor explora três níveis em que temas e modos de narrar populares são desenvolvidos nas narrativas conhecidas como Atos de PauloAtos de João e Atos de Filipe. Caminhando entre o folclore e a oralidade, o monstruoso e o grotesco, essas narrativas abrem portas para se pensar o cristianismo primitivo em seu contexto próprio e não apenas em função do seu futuro.

PLAUTO

Em Slave Theatre in the Roman Republic: Plautus and Popular Comedy (Cambridge, Cambridge University Press, 2017, xvi+563 páginas, 37,99 dólares), Amy Richlin propõe uma reinterpretação radical do teatro atribuído a Plauto (século III a.C.) como um gênero escrito por e para escravos e pobres. Na primeira parte, a autora mostra como as peças jogam com as preocupações dessa audiência (como desenraizamento, castigos físicos, abuso sexual, fome e pobreza). Na segunda, cataloga as expressões teatrais das aspirações subalternas (como o desejo de vingança, honra, liberdade, manumissão e fuga). Controverso e provocador, o livro é uma contribuição significativa para os estudos sobre o teatro de Plauto e a cultura de escravos e homens livres pobres na República Romana.

  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram

©2018 by História Antiga a partir de baixo. Proudly created with Wix.com