Arquivo

2020

APULEIO

O Asno de Ouro, de Apuleio (trad. Ruth Guimarães, prólogo de Adriane da Silva Duarte, São Paulo, Editora 34, 2019, 480 páginas, R$ 88) é o único romance latino da Antiguidade a sobreviver na íntegra até hoje. Narra as desventuras do jovem Lúcio que, pagando o preço de sua curiosidade pela magia, se transforma em um burro, porém sem perder sua inteligência. Raptado por um bando de salteadores e passando depois por vários donos, esse observador insuspeito descreve a vida de homens e mulheres de todas as classes sociais, inclusive dos grupos subalternos e marginalizados pouco retratados na literatura antiga. Edição bilíngue, com o texto original latino e a tradução para o português de Ruth Guimarães, o livro conta ainda com a excelente introdução de Adriane da Silva Duarte.

ESTUDOS CLÁSSICOS

A People's History of Classics, de Edith Hall e Henry Stead (Londres e Nova Iorque, Routledge, 2020, 670 páginas, 26,39 libras, capa mole) explora a influência do passado clássico na vida das pessoas da classe trabalhadora na Grã-Bretanha e na Irlanda do final do século XVII ao início do século XX. Utilizando diversas fontes de informação, publicadas e inéditas, em arquivos, museus e bibliotecas do Reino Unido e da Irlanda, Hall e Stead examinam a experiência da cultura clássica na classe trabalhadora, desde a Declaração de Direitos de 1689 até a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Como mostram os autores, a educação clássica não precisa ser elitista ou reacionária. Se ela foi muitas vezes o currículo do império, o interesse dos trabalhadores e do movimento operário pelos clássicos nos mostra que ela pode ser também o currículo da libertação.

2019

CULTURA POPULAR

Popular Culture in the Ancient World (ed. Lucy Grig, Cambridge, Cambridge University Press, 2017, x+369 páginas, 110 dólares), é o primeiro livro a oferecer um estudo interdisciplinar do assunto. Um grupo de estudiosos de vários países enfrenta neste livro um leque fascinante de temas e objetos: desde oráculos até o vestir, desde brinquedos até a especulação teológica. Depois de uma introdução substantiva, 13 capítulos se sucedem tratando da Grécia clássica ao Império Romano e até à Antiguidade Tardia. O livro ultrapassa as visões tradicionais da cultura popular associadas ao "pão e circo" e mostra, ao contrário, toda sua riqueza e diversidade.

ESOPO

Em Fábulas, seguidas do Romance de Esopo, livro publicado pela Editora 34 (São Paulo, 2017, 280 páginas, 55 reais), André Malta e Adriane da Silva Duarte reúnem duas obras traduzidas do grego antigo: uma coletânea de 75 fábulas de Esopo e sua biografia romanceada. As fábulas nos remetem a uma moralidade popular que remonta à Grécia arcaica e clássica. Já o Romance de Esopo, escrito no século II d.C., sob o Império Romano, coloca em cena, numa narrativa divertida, um escravo de lavoura, promovido a escravo doméstico de um filósofo e que ganha a liberdade graças a sua astúcia e ao uso da palavra em público. Como poucos textos literários antigos, as Fábulas e o Romance de Esopo nos permitem vislumbrar algo das vozes, da vida e da cultura dos subalternos na Antiguidade.   

CRISTIANISMO

Narrativa e cultura popular no Cristianismo primitivo (São Paulo, Paulus, 2018, 152 páginas, 29 reais), novo livro de Paulo Nogueira, convida o leitor a adentrar o universo dos primeiros cristãos por meio de um exercício de estranhamento, ao analisar suas formas de expressão literárias em seu contexto mais amplo. Partindo da hipótese de que o cristianismo primitivo tem conexões profundas com a cultura popular do Mediterrâneo antigo, o autor explora três níveis em que temas e modos de narrar populares são desenvolvidos nas narrativas conhecidas como Atos de PauloAtos de João e Atos de Filipe. Caminhando entre o folclore e a oralidade, o monstruoso e o grotesco, essas narrativas abrem portas para se pensar o cristianismo primitivo em seu contexto próprio e não apenas em função do seu futuro.

PLAUTO

Em Slave Theatre in the Roman Republic: Plautus and Popular Comedy (Cambridge, Cambridge University Press, 2017, xvi+563 páginas, 37,99 dólares), Amy Richlin propõe uma reinterpretação radical do teatro atribuído a Plauto (século III a.C.) como um gênero escrito por e para escravos e pobres. Na primeira parte, a autora mostra como as peças jogam com as preocupações dessa audiência (como desenraizamento, castigos físicos, abuso sexual, fome e pobreza). Na segunda, cataloga as expressões teatrais das aspirações subalternas (como o desejo de vingança, honra, liberdade, manumissão e fuga). Controverso e provocador, o livro é uma contribuição significativa para os estudos sobre o teatro de Plauto e a cultura de escravos e homens livres pobres na República Romana.

  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram

©2018 by História Antiga a partir de baixo. Proudly created with Wix.com